HISTÓRICO DA TVU

 

Fundada em 1972, a Televisão Universitária do Rio Grande do Norte – Canal 5, emissora de canal aberto, foi uma concessão à UFRN para operacionalização do Projeto Satélite Avançado de Comunicações Interdisciplinares (SACI), do Programa Nacional de Teleducação (PRONTEL), do Ministério da Educação, marco da educação a distância no país na década de 1970.

 

Essa experiência, pioneira no Rio Grande do Norte, consistia na recepção de aulas produzidas no Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE), em São José dos Campos (SP), e transmitidas, via satélite, em sinal aberto para Natal e região metropolitana. As aulas para o interior do estado eram distribuídas via retransmissores instalados em locais estratégicos, atingindo uma área de cerca de 60% do Rio Grande do Norte, principalmente em lugares onde, à época, não havia energia elétrica. Isso exigia que os aparelhos de TV fossem alimentados por baterias veiculares, substituídas a cada 15 dias. Essa operação demandava uma logística bem articulada sediada em Natal e nas cidades-polo de cada região com o objetivo de garantir a continuidade do projeto no interior do estado.

 

O sistema educacional que viabilizou toda a operacionalização no âmbito estadual foi denominado Sistema de Teleducação do Rio Grande do Norte (SITERN), cujo objetivo era suprir carências educacionais da rede pública de ensino para um público preferencial de 1ª à 4ª série, o então nível fundamental do ensino básico, em escolas da periferia urbana de Natal e parte do interior do estado na forma presencial, utilizando como recursos didáticos os materiais instrucionais produzidos em Natal e um aparelho de TV.

 

Nascida por inspiração desse protagonismo, a de sediar a primeira experiência em educação a distância usando a tecnologia mais avançada da época, a TVU foi, por 15 anos, a primeira emissora geradora de televisão do Rio Grande do Norte, condição que permaneceu até 1987. Antes, no início dos anos 1980, adquiriu novos equipamentos para geração de imagens coloridas num processo oneroso que exigiu importação e transporte marítimo desses equipamentos.

 

 

À época, a TVU exercia um papel significativo e de grande alcance para a cultura da nossa região: o de promotora e difusora das manifestações artísticas e culturais locais, da valorização da cultura regional e de guardiã da memória do estado do Rio Grande do Norte. Programas de auditório, como o Canta Nordeste e o Viajando o Sertão, promoveram encontros memoráveis dos mais destacados artistas regionais em seus estúdios, caracterizando-se como espaço cultural dos mais significativos naqueles anos de 1980.

 

 

 

 

Das suas lentes, o registro dos acontecimentos mais importantes da história recente do nosso estado. Do seu acervo, um rico legado nos registros de depoimentos das suas mais relevantes figuras. Grandes nomes da literatura, da política, das artes, da vida cotidiana, como Câmara Cascudo, Dinarte Mariz, Aluízio Alves, Cortez Pereira, Oriano de Almeida e Cornélio Campina, e de renome nacional, como Dom Helder Câmara, Luís Carlos Prestes, Paulo Freire e outros compõem o rico acervo do Programa Memória Viva, que, pela forma descontraída da sua narrativa, permitia que, ao narrarem suas trajetórias, também evidenciassem fatos e momentos marcantes da nossa história.

 

Portanto, o reconhecimento da sociedade norte-rio-grandense vem desde o seu nascedouro, nos idos da década de 1970, quando se estabeleceu uma relação de identidade da TVU com a história e a cultura do Rio Grande do Norte. O seu caráter público tem três pilares: sua natureza jurídica, o financiamento por meio de recursos orçamentários da própria UFRN e uma gestão comprometida com o interesse público.

 

Essa trajetória se passou ao longo de algumas décadas e agora os desafios estão voltados à inovação e à operacionalização do seu canal digital. A TV Universitária foi a primeira emissora de uma instituição federal a explorar um canal digital em sinal aberto, em maio de 2015, o que exige a utilização de tecnologias recentes e a produção de novos conteúdos em formatos inovadores, sem esquecer, sobremaneira, da sua missão por vocação: a de debater os grandes temas da atualidade e os grandes desafios da contemporaneidade.

Desde a sua origem, a TV Universitária tem assumido seu protagonismo como principal espaço de formação em televisão para estudantes do Curso de Comunicação Social da UFRN, constituindo-se, ainda hoje, como seu principal campo de estágio.

 

A grade de programação da emissora prioriza a difusão de conteúdos voltados à promoção do homem na sua condição de cidadão e dos valores humanísticos universais e privilegia a divulgação da produção acadêmica da UFRN. Esse é o seu papel institucional para a construção de uma formação cidadã, como também o de promover e divulgar a cultura e o esporte balizada em critérios éticos.

Primeira logo da TVU - Década de 1970
02-Mesa de controle de vídeo em P&B. Década de 1970.
03-Primeiros equipamentos da TV Universitária. Década de 1970.
05-Público assistindo a uma apresentação do Grupo Expressão formado pelos atores da TVU/SITERN.
06-Apresentação grupo Expressão. Em destaque os atores Rino Dantas e Júnior Santos.
07- Grupo Expressão - Em destaque os atores Rino Dantas, Kinha Costa, Socorro Cabral e Lucinha Moreno
08- Desfile cívico do Dia da Independência em Macaíba. Em destaque a homenagem ao SITERN/TVU.
09- Veículo do SITERN/TVU. Participação no desfile cívico na cidade de Macaíba.
10- Elenco do SITERN/TVU em evento no antigo Estádio Castelão. Início da década de 1980.
11- Desenvolvimento da segunda logo da TVU. Criação de Tarcísio Mota.
12-Programa Viajando o Sertão: violeiros José Alves e Antônio Sobrinho. Com Enoch Domingos.
13- Programa Fórum, apresentado pelo jornalista Luiz Lobo. Entrevistado: senador Dinarte Mariz.
14- Inauguração da sede da TVU no Campus Universitário em 1995. Reitor Geraldo dos Santos Queiroz.
15- Logo atual da TVU.